20 de Julho de 2024

ESPORTES Terça-feira, 01 de Agosto de 2023, 18:25 - A | A

Preços de ingressos

Secretário garante que MP e TJ tentam resolver ‘problema’ com Cuiabá EC

Nó de cachoro - HNT

jeferson sec esportes

 Jefferson Neves secretário de Cultura, Esporte e Lazer de Mato Grosso

Em meio à polêmica em torno do sobrepreço dos ingressos destinados à disputa do Cuiabá Esporte Clube contra o Flamengo pela 18ª rodada do Brasileirão, na Arena Pantanal, o secretário de Cultura, Esporte e Lazer de Mato Grosso,

Em meio à polêmica em torno do sobrepreço dos ingressos destinados à disputa do Cuiabá Esporte Clube contra o Flamengo pela 18ª rodada do Brasileirão, na Arena Pantanal, o secretário de Cultura, Esporte e Lazer de Mato Grosso, Jefferson Nevesgarantiu ao HNT que o Ministério Público e o Tribunal de Justiça estão tentando "resolver as coisas" e encontrar uma solução o problema.

Sem entrar no mérito do imbróglio judicial protagonizado pelo clube, o secretário se limitou a dizer que "cada um entende de uma forma" e que aguarda o consenso com clube.

Até o momento, os ingressos são vendidos normalmente com o preço “igualitário” estabelecido pelo time, com o valor acrescido à torcida local.

Isso porque, mesmo após a juíza Patrícia Ceni, do Juizado Especial do Torcedor de Cuiabá, acatar o pedido do Ministério Público Estadual (MPE), estabelecendo o valor máximo de R$ 150 no ingresso e pedindo a devolução do dinheiro dos ingressos vendidos com valores excedentes, o clube continua comercializando os passaportes normalmente e com o preço “igualitário” estabelecido pelo time, com o valor acrescido à torcida local.

garantiu ao HNT que o Ministério Público e o Tribunal de Justiça estão tentando "resolver as coisas" e encontrar uma solução o problema.

Sem entrar no mérito do imbróglio judicial protagonizado pelo clube, o secretário se limitou a dizer que "cada um entende de uma forma" e que aguarda o consenso com clube.

Até o momento, os ingressos são vendidos normalmente com o preço “igualitário” estabelecido pelo time, com o valor acrescido à torcida local.

Isso porque, mesmo após a juíza Patrícia Ceni, do Juizado Especial do Torcedor de Cuiabá, acatar o pedido do Ministério Público Estadual (MPE), estabelecendo o valor máximo de R$ 150 no ingresso e pedindo a devolução do dinheiro dos ingressos vendidos com valores excedentes, o clube continua comercializando os passaportes normalmente e com o preço “igualitário” estabelecido pelo time, com o valor acrescido à torcida local.



Comente esta notícia