23 de Julho de 2024

OPINIÃO Domingo, 14 de Abril de 2024, 14:31 - A | A

Autismo: do diagnóstico à aceitação - um guia para pais

renata allan

 Renata Allan

Receber o diagnóstico de autismo de um filho é um momento que transforma a vida de toda a família. A esperança inicial de que "não seja nada" se transforma em um misto de emoções: medo, tristeza, insegurança e dúvidas sobre o futuro.

É natural que os pais passem por um processo de luto, com fases semelhantes ao luto pela perda de um ente querido: negação, raiva, barganha, depressão e finalmente, aceitação. Cada fase tem seu tempo e cada pessoa vivencia esse processo de maneira individual.

Negação: A primeira reação pode ser negar o diagnóstico, buscando outras opiniões médicas ou questionando a validade do resultado.

Raiva: Sentimentos de raiva podem surgir direcionados a si mesmo, ao profissional que fez o diagnóstico, à criança ou ao mundo em geral.

Barganha: A busca por soluções mágicas ou promessas de cura pode levar os pais a tentarem diversas terapias e tratamentos, muitas vezes sem base científica.

Depressão: A tristeza profunda e a sensação de impotência podem tomar conta dos pais, impactando o relacionamento familiar e a qualidade de vida.

Aceitação: Chegar à aceitação do diagnóstico não significa que os pais deixarão de amar seus filhos ou que não sentirão mais tristeza ou frustração, esses sentimentos podem aparecer em vários momentos. Mas é um passo fundamental para que a família possa seguir em frente e buscar o melhor para a criança.

Diante de tudo isso, o que fazer? Os pais podem começar a buscando ajuda profissional especializada para o desenvolvimento da criança. Existem diversas opções de tratamento disponíveis, como terapia ocupacional, fisioterapia, fonoaudiologia e psicopedagogia. O ideal é encontrar uma equipe multidisciplinar que possa trabalhar em conjunto para atender às necessidades específicas da criança.

É importante também que os pais de crianças com autismo procurem rede de apoio para lidar com as dificuldades e desafios do dia a dia. Existem grupos de apoio e ONGs que oferecem orientação, informação e atividades para famílias com autismo.

É importante lembrar que o autismo não é uma doença, mas sim um transtorno do desenvolvimento que acompanha a pessoa por toda a vida. Com o apoio adequado, as pessoas com autismo podem ter uma vida plena e feliz.

O diagnóstico de autismo pode ser um momento difícil para a família, mas também pode ser uma oportunidade de crescimento e aprendizado. Com amor, dedicação e apoio profissional, é possível construir um futuro cheio de esperança para a criança e para toda a família.

Lembre-se:
• Você não está sozinho.
• Existem profissionais e grupos de apoio que podem te ajudar.
• O diagnóstico não define o futuro da sua criança.
• Com amor, dedicação e apoio, seu filho pode ter uma vida plena e feliz.

*RENATA ALLAN é professora de Matemática e Psicopedagoga clínica, é especialista em auxiliar crianças e adolescentes com TEA e TDAH em seu processo de aprendizagem



Comente esta notícia