20 de Julho de 2024

OPINIÃO Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2023, 13:22 - A | A

Nossas praças ignoradas

 
marcelo portocarrero

 

Por que algumas áreas de convivência, as tais praças, são tão badaladas e outras simplesmente ignoradas?

Não, não estou falando das restaurações, verdadeiras transformações, que sofrem essas áreas públicas a título de reforma. Ações tão contundentes que de original só lhes restam os nomes, isso quando também não são “reformados” para acabar de vez com todas as suas lembranças históricas e com elas nosso passado, já tão castigado pelas ondas de ataques promovidos pelas hordas progressistas.

Me refiro a seus usos, aos quais também poderíamos juntar os costumes, se bem que esse termo é um daqueles que a cada dia vêm se tornando motivo de repressão pelos que consideram agressivo tudo o que parece conservador, ou seja, palavras atos e pensamentos que remontem às épocas passadas, desde que não estejam dentro do que hoje seja considerado politicamente correto pelos poderosos censores das cortes superiores et caterva.

Então, quando digo usos é sobre as diversas serventias que podem e devem ser dadas a esses espaços como comemorações, apresentações, exposições e práticas de lazer. Afinal, além de servirem como locais de descanso aos moradores do seu entorno, essas outras atividades fazem parte dos outros fins a que se destinam. Entretanto, infelizmente não é assim que costuma acontecer em nossa querida Cuiabá, cidade outrora cheia de tradições, usos e costumes, que aos poucos estão sendo delapidados por inconsequentes ou consumidos pelo passar do tempo sem o devido cuidado.

− É culpa do progresso! Dirão alguns, tentando maximizar os efeitos auferidos pela atual realidade do país em relação a assuntos que envolvam sentimento, passado e história. Entretanto, não é somente sobre estes aspectos das questões relativas às praças que devemos nos preocupar.

A realidade mostra que existem diversas praças em nossa cidade, as quais embora tenham sido reformadas, restauradas ou transformadas ainda não foram revitalizadas no sentido de trazer vida permanente a seus interiores. Estão entregues ao abandono quanto ao aproveitamento de todas aquelas atividades acima referidas e somente algumas, as localizadas nos pontos mais bem frequentados da cidade, recebem atenção nesse sentido. Exemplos disso são as pujantes Praças 8 de abril e Santos Dumont, ambas localizadas em bairros não tão distantes do centro da capital.

Seus frequentes usos são bons exemplos a serem aplicados nas áreas de convivência que estão nos outros bairros da cidade onde, proporcionalmente, gastou-se tanto dinheiro público quanto nelas. Entretanto, até agora poucas vezes ou nunca, foram assim utilizadas, exceto para abrigar desvalidos, pessoas acometidas pelos males dos vícios e, eventualmente, como locais de prostituição. Exemplo disso está bem ali, no encontro da Avenida Beira Rio com a Avenida 15 de Novembro, à beira do rio Cuiabá, e se chama Praça Luís de Albuquerque.

Sabiam que existe uma praça na Rua São Sebastião, esquina com a Travessa das Palmeiras, Bairro Quilombo, que se chama Praça Oscar Brandão, bem perto do Hospital Municipal São Benedito? Pois é, ela possuiu belos passeios internos, é bem arborizada e ainda oferece à população um pequeno anfiteatro a céu aberto, que parece feito sob medida para eventos de esportes como a capoeira, apresentações de teatro, música e outras atividades destinadas a um público menor. No entanto, devido ao descaso, à falta de manutenção e à insegurança causada pelo abandono nunca foi utilizada para nada disso, quiçá para o lazer de seus vizinhos.

Então gente boa da cultura, serviços públicos e lazer vamos dar conta de resolver isso e tornar nossa cidade mais humana, menos perigosa e mais calorosa através da adequada utilização de (todos) seus espaços públicos. Tenho certeza que os moradores dos bairros atendidos pelo uso equitativo de suas praças ficarão muito gratos.

E olha, tem mais, porque os agradecimentos também virão dos cidadãos que moram nas cercanias das praças que hoje estão sendo sobre-utilizadas. Nestes casos, em função do descanso que terão, pelo menos durante alguns finais de semana.

Marcelo Augusto Portocarrero é engenheiro civil



Comente esta notícia