20 de Julho de 2024

SAUDE Terça-feira, 25 de Abril de 2023, 11:13 - A | A

CUIDADOS REFORÇADOS

Silenciosa, “Pressão Alta” é uma das principais causas de morte no Brasil

Doença crônica leva a complicações graves como infarto, derrame cerebral e insuficiência renal e tem na prevenção sua principal forma de combate

Assessoria de Imprensa

pressao

 

Hábitos comportamentais estão entre os principais fatores de risco para o desenvolvimento da hipertensão arterial ou pressão alta, como a doença é popularmente conhecida. Por ser silenciosa e ter graves consequências, a data de 26 de abril foi instituída como o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial para mobilizar e alertar a população sobre a importância de manter um estilo de vida saudável e realizar exames periódicos para detectar a hipertensão arterial.

Dados da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) apontam que mais de 30% da população brasileira é acometida pela hipertensão arterial. A doença é considerada um problema de saúde pública e de acordo com o Ministério da Saúde, via Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), de 2010 a 2020, foram registradas 551.262 mortes por doenças hipertensivas, sendo 292.339 em mulheres e 258.871 em homens.

Um outro relatório do Ministério da Saúde também revelou que o número de adultos com diagnóstico médico de hipertensão aumentou 3,7% em 15 anos no Brasil. Os índices saíram de 22,6% em 2006 a 26,3% em 2021. O relatório mostra ainda um aumento na prevalência do indicador entre os homens, variando 5,9% para mais.

Os estados com maiores prevalências de diagnóstico médico de hipertensão arterial segundo a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), realizada em 2019, são: Rio de Janeiro (28,1%), Minas Gerais (27,7%) e Rio Grande do Sul (26,6%). Os Estados com menores prevalências de diagnóstico médico de hipertensão arterial são: Pará (15,3%), Roraima (15,7%) e Amazonas (16%). O indicador se refere à população brasileira com mais de 18 anos que referiu ter diagnóstico médico de hipertensão arterial, exceto mulheres que tiveram diagnóstico durante a gravidez.

Prevenção

A Hipertensão arterial integra um grupo de doenças passíveis de serem evitadas por meio de hábitos modificáveis relacionados ao consumo de álcool, tabaco, alimentação inadequada e sedentarismo, considerados fatores de risco para o desenvolvimento da doença.

“O estilo de vida tem grande influência no desenvolvimento da hipertensão arterial. Procurar equilíbrio entre o trabalho e a convivência com a família, somado a hábitos saudáveis como não abusar do sal, utilizando temperos que ressaltam o sabor dos alimentos, praticar atividade física regular, aproveitar momentos de lazer, abandonar o cigarro e, se consumir bebida alcoólica, fazê-lo com moderação, será determinante na prevenção desta doença que pode desencadear o surgimento de vários problemas cardiovasculares”, explica a Dra Sueli Vieiras, cardiologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo. A especialista enfatiza ainda que a aferição periódica dos níveis pressóricos propicia o diagnóstico precoce da doença, o controle da pressão arterial e dos fatores de risco associados.

A “Pressão Alta”

Considerada o principal fator de risco para as doenças cardiovasculares, a Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS), mais conhecida como “pressão alta”, quando não controlada, leva a complicações como insuficiência cardíaca, insuficiência renal e acidente vascular cerebral, contribuindo de forma expressiva para a perda de anos de vida saudável na população.

A hipertensão arterial faz parte do grupo das Doenças Crônicas não Transmissíveis e pode ser primária, quando geneticamente determinada, ou secundária, quando decorrente de outros problemas de saúde, como doenças renais, da tireoide ou das suprarrenais.
Caracteriza-se pela elevação sustentada dos níveis de pressão arterial, acima de 140×90 mmHg (milímetro de mercúrio), popularmente conhecida como 14/9 – o primeiro número se refere à pressão máxima ou sistólica, que corresponde à contração do coração; o segundo, à pressão do movimento de diástole, quando o coração relaxa. Em crianças e adolescentes, serão considerados valores acima de 120/80 mmHg.

Doença silenciosa

Em geral, tontura, falta de ar, palpitações, dor de cabeça frequente e alteração na visão podem ser os sinais de alerta, entretanto, a hipertensão geralmente é silenciosa, sendo importante medir regularmente a pressão arterial.

Principais causas

Na grande maioria dos casos, a hipertensão arterial é de origem multifatorial, estando associada aos fatores de risco modificáveis e não modificáveis, os quais interferem no curso da doença. Estão associados ao surgimento da hipertensão: obesidade, sedentarismo, alimentação, glicemia elevada, colesterol e/ou triglicérides elevados e estresse.

O sobrepeso e a obesidade podem acelerar em até 10 anos o aparecimento da doença. O consumo exagerado de sal associado a hábitos alimentares não adequados também são fatores destacados. São reconhecidos como fatores não modificáveis para a hipertensão arterial: sexo, idade, etnia e história familiar. Há uma associação direta entre envelhecimento e prevalência da doença.

Complicações

As principais complicações da hipertensão são derrame cerebral, também conhecido como AVC, infarto agudo do miocárdio e doença renal crônica. Além disso, a hipertensão pode levar a uma hipertrofia do músculo do coração, causando arritmia cardíaca. Os olhos podem sofrer problemas na retina e as pernas podem ter “entupimentos” dos vasos que levam o sangue (pelas artérias), com dores principalmente na panturrilha devido aos esforços.

Tratamento e cuidados após o diagnóstico

A hipertensão, na grande maioria dos casos, não tem cura, mas pode ser controlada. Nem sempre o tratamento significa o uso de medicamentos, sendo imprescindível a adoção de um estilo de vida mais saudável, com mudança de hábitos alimentares, redução no consumo de sal, atividade física regular, não fumar, moderar o consumo de álcool, entre outros. É fundamental consultar um médico e diagnosticar a origem do problema, para que seja introduzido o tratamento adequado.

 


Comente esta notícia