13 de Julho de 2024

POLÍTICA Quarta-feira, 14 de Junho de 2023, 16:56 - A | A

"SEM-VERGONHICE"

Júlio perde a paciência e detona deputados do UB por não votar com Lula: "Vai tomar no c*"

Rafael Machado Repórter | Estadão Mato Grosso

julio campos gde

 O deputado estadual Júlio Campos 

O deputado estadual Júlio Campos disparou críticas às lideranças nacionais do seu partido, o União Brasil, que tem sido cobrado para ser favorável às propostas do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no Congresso Nacional, já que faz parte do staff do petista com três ministérios.

Na avaliação de Júlio, o partido não deveria fazer parte da gestão já que 90% dos membros do partido apoiou o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) na eleição passada. Ele considerou a atitude adotada pela cúpula nacional como sem-vergonhice.

O União Brasil ocupa o Ministério do Turismo (Daniela Carneiro), Comunicações (Juscelino Filho) e Integração e Desenvolvimento Regional (Waldez Góes). Mesmo ocupando posições importantes no governo, a bancada da sigla no Congresso Nacional decidiu se manter nas posturas de independência ou oposição a Lula.

“Se eu estivesse em Brasília, eu seria um crítico radical dessa posição, já que foi para o governo, então que assuma a sua governabilidade. Que vota integral. Se não votar, tem que demitir os ministros mesmo. Tem que mudar ministro, porque o que foi comprometido com o voto?  Você nos dá três ministérios, como ele deu, Comunicação, Turismo e Integração Nacional, e nós apoiamos o seu governo com os seus projetos do Congresso... ora, se não está entregando voto, tem que mudar mesmo. O presidente tem razão. O Lula está certo. Hoje está comigo, hoje está contra mim. Meio-termo não pode ficar”, ressaltou.

Ele destacou que caso o partido mantenha essa atitude, Lula "demite os ministros, sem vergonha dos democratas e da União Brasil”. Ele ainda chegou a comparar a situação com o projeto do Governo de Mato Grosso, que proíbe o transporte, armazenamento e comercialização de peixes e pescados nos rios de Mato Grosso pelo prazo de cinco anos, apelidado de “Transporte Zero”.

Sendo um dos autores dos substitutivos integrais ao texto, ele pontuou que seria incoerente votar contra a peça e em seguida soltou: “Ah, vai tomar no c*, hein!”.

 


Comente esta notícia

Cláudio Coelho Barreto Júnior 15/06/2023

Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

1 comentários

1 de 1