23 de Julho de 2024

POLÍTICA Quinta-feira, 17 de Agosto de 2023, 15:45 - A | A

SEGURANÇA DAS URNAS

Defesa de Bolsonaro fará queixa-crime contra hacker por calúnia e difamação

Na CPMI, Walter Delgatti Neto afirmou que o ex-presidente articulou plano para questionar segurança das urnas eletrônicas

Redação Agora MT

Bolsonaro microfone

 

A defesa do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou nesta quinta-feira (17) que vai entrar com uma queixa-crime contra o hacker Walter Delgatti Neto.

A alegação é de calúnia e difamação durante o depoimento à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de Janeiro.

Delgatti acusou Bolsonaro de ter lhe oferecido um indulto caso assumisse ter grampeado o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), e de ter ordenado um plano para questionar a segurança das urnas eletrônicas em 2022.

Delgatti Neto disse que concordou em assumir o grampo por se tratar de uma “proposta do presidente da República” que poderia pôr em xeque a credibilidade de Moraes com o objetivo de anular as eleições.

O ex-presidente ainda teria pedido ao hacker que ele ficasse “tranquilo”. “Caso um juiz mande te prender, eu mando prender o juiz”, teria afirmado Bolsonaro.

 

Ainda de acordo com o depoimento, o ex-presidente da República teria pedido ao hacker que fraudasse uma urna com o objetivo de pôr em dúvida o processo eleitoral perante a população. “A ideia era pegar uma urna emprestada da OAB [Ordem dos Advogados do Brasil], acredito. E pôr um aplicativo meu para mostrar à população que é possível apertar um voto e sair outro”, disse o depoente.

Essa espécie de simulação serviria para levantar dúvida na população, já que, segundo Delgatti, invadir o código-fonte do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é impossível por fora, já que o sistema é offline, ou seja, sem conexão com a internet.



Comente esta notícia