21 de Julho de 2024

POLÍTICA Quarta-feira, 17 de Agosto de 2022, 11:43 - A | A

VIDA QUE SEGUE

Após 'treta' para compor chapa, Max afirma que PSB não tem mais interesse na suplência de Fagundes

Gabriel Soares e Rafael Machado Repórter | Estadão

Max Russi psb

 O presidente do PSB em Mato Grosso, deputado estadual Max Russi

O presidente do PSB em Mato Grosso, deputado estadual Max Russi, afirmou nesta quarta-feira, 17 de agosto, que seu partido não tem mais interesse em indicar o segundo suplente na chapa do senador Wellington Fagundes (PL), que busca a reeleição.

O PSB indicou o produtor rural Joaquim Diógenes, que chegou a ser registrado junto à Justiça Eleitoral, mas teria desistido da vaga após consultar seus aliados políticos. Contudo, a renúncia foi comunicada apenas à imprensa e ainda é preciso formalizá-la junto ao Tribunal Superior Eleitoral.

Não estou mais conversando esse negócio do Senado, estou deixando para o pessoal da coligação conversar. [...] Para o PSB é indiferente. O candidato é o Wellington e o Mauro [Carvalho], eles fazem a definição. O PSB está muito tranquilo, vamos cuidar de estadual e federal. Não tem mais essa necessidade”, disse Max.

A decisão do partido não afeta seu apoio à reeleição do governador Mauro Mendes (União), com quem o PSB está aliado desde as eleições de 2018. Mauro, aliás, é um antigo quadro do PSB, partido que o elegeu à Prefeitura de Cuiabá em 2012.

A presença do PSB na chapa bolsonarista causava incômodo ao senador Wellington Fagundes, que fez algumas reclamações sobre isso durante conversas com jornalistas na última semana. A questão é que o PSB está intimamente ligado ao PT em nível nacional, indicando o vice - Geraldo Alckmin - na chapa de Lula (PT) à presidência. Essa composição também gerou críticas de outros aliados, como o ex-senador Júlio Campos, que chegou a trata-la como ‘esdrúxula’.

MULHER DO NORTÃO

Com a saída de Diógenes, Wellington volta a buscar um nome para sua suplência. Para o senador, interessa trazer uma pessoa com forte atuação na Região Norte e, possivelmente, uma mulher. Com este perfil, a mais cotada para assumir o posto é a ex-prefeita de Sinop, Rosana Martinelli (PL), o que também manteria o viés bolsonarista da chapa.

Na terça-feira, 16, o ex-secretário Mauro Carvalho, candidato a primeiro-suplente de Wellington, disse ver com bons olhos a possibilidade de que Rosana integre a chapa. Porém, ele não deu detalhes sobre as articulações e preferiu enumerar os predicados de Rosana.

Rosana Martinelli representa uma liderança grande no Nortão. Foi prefeita de Sinop, com excelente mandato. Não quis ir para reeleição. Vários prefeitos da região norte apoiam o nome dela. Se der tudo certo e ela vier para nossa chapa, com certeza vai agregar muito”, disse.

 
 


Comente esta notícia