13 de Julho de 2024

POLÍCIA Terça-feira, 14 de Junho de 2022, 14:32 - A | A

FICOU REVOLTADO

Médico é trocado por outra mulher e faz ataques racistas e lesbofóbicos

medico

 

Um cirurgião plástico do Rio foi denunciado por uma atleta por injúria racial e homofobia. Segundo a vítima, ele não aceita o relacionamento dela com a ex-mulher dele.

A atleta Dara Augusta contou que desde que iniciou o relacionamento com a professora Jéssica Andrade sofre ameaças e ataques racistas por parte do médico.

"Ele me procurou, me mandava mensagens, fazendo ameaças, falando que não era para eu ficar com a Jéssica porque eu tava destruindo a vida dela, a vida do filho, porque era vergonhoso ela estar com uma pessoa negra", contou a vítima.

Domingos Quintella de Paolla é cirurgião plástico com mais de 40 anos de profissão. Ele e Jéssica ainda são casados no papel. Mas o médico, segundo a professora, não aceita o divórcio.

"Eu quero o divórcio só que ele ainda não me deu. Ele não quer dar, simples assim", disse Jéssica.

Numa troca de mensagens, Domingos disse para Jéssica: "Você me dispensou, trocou pela macaca".

E o médico continuou e escreveu: "Isso é imperdoável . Ela é analfabeta e sem futuro, uma derrotada. Nunca será nada na vida".

Dara decidiu denunciar o que ela e a namorada passavam nas redes sociais, onde têm quase 400 mil seguidores.

"Gente, então, eu vim explicar a vocês. A pessoa que está cometendo todos esses atos de racismo contra a minha pessoa é o ex-marido da Jéssica. Ele não aceita o fim. Ele não aceita que ela não quer ficar com ele. Ele não aceita a situação de que não dá, que não quer e com isso ele começa a ter vários atos de racismo", disse Dara.

Num encontro que teve com o ex-marido na Praia de Copacabana, Jéssica decidiu gravar o que ele fala sobre Dara. O rosto de Domingos não aparece nas imagens.

"Ela é favelada, não tem como sair se entrar [na favela]. Quer apostar comigo, quer brincar? Você não vai ficar zangada comigo se eu fizer isso? Meter ela numa delegacia, encher de porrada de borracha e depois soltar. Ela merece. Ela é macaca. Ela é macaca. Preta e macaca", disse o médico.

Com os vídeos em mãos, Dara e Jéssica procuraram a Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), na última sexta-feira (10). Dara registrou ocorrência por ameaça e injúria. As duas contrataram uma advogada. Elas sentem medo do que o médico pode fazer a partir de agora.

"Ele fala em me matar. Se ele me matar, para ele vai pegar cadeia, já tem 68 anos, simples assim", disse Jéssica.

Em 2018, o cirurgião se envolveu em outra polêmica. Ele chefiava o serviço de cirurgia plástica do Hospital do Servidores e numa mensagem que viralizou na internet, ele pede a um médico aprovado na residência do hospital que desistisse da vaga em favor do filho dele.

A equipe do RJ1 foi ao endereço do médico para saber o que ele tem a dizer sobre as ameaças e os ataques racistas e homofóbicos contra a ex-mulher dele e a namorada dela. Pelo interfone, ele negou as acusações.

Dara e Jéssica esperam que o médico seja punido.

"Eu amo ela, né? Então, vou à luta com ela. Ver ela sofrer me dói porque eu amo", disse a professora Jéssica.

O que diz a defesa do médico
A defesa do médico Domingos Quintella de Paolla disse que seu cliente foi casado com Jéssica e que, durante o relacionamento, descobriu que a companheira o traiu com uma mulher. E que é natural que os dois se desentendessem. O advogado afirma que Domingos não fez nenhum contato com Dara e que nunca a viu.

Sobre a polêmica envolvendo a vaga de residência no Hospital dos Servidores, Domingos afirmou ao jornal O Globo, na época, que uma pessoa pegou o celular dele e enviou a mensagem. O médico se aposentou da unidade no ano passado.



Comente esta notícia