13 de Julho de 2024

POLÍCIA Segunda-feira, 17 de Julho de 2023, 10:54 - A | A

EMPRESA FANTASMA

Médico e ex-adjunto da Saúde de Cuiabá é preso durante operação que investiga fraude e corrupção

Investigações apuram pagamentos indevidos feitos pela Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá

THIAGO STOFEL - HNT

medico cba preso

 

O ex-secretário adjunto de Saúde de Cuiabá e médico Luiz Gustavo Raboni Palma, um dos proprietários da empresa LG Med Serviços e Diagnósticos, foi preso na manhã desta segunda-feira (17), durante a “Operação Overpay”, deflagrada pela Polícia Civil na cidade. O acusado é suspeito de envolvimento em um esquema de fraude e corrupção na pasta municipal.

As investigações e auditoria da Controladoria Geral do Estado (CGE) apontaram indícios de que a empresa contratada do médico preso apresentou planilhas à Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá com relatório de atendimentos de pacientes e ausência de informações em quantidade além do que efetivamente foi realizado.

Também foram constatadas evidências de que a empresa LG Med Serviço e Diagnóstico apresentou planilhas de atendimento médico que de pessoas que sequer compareceram às unidades hospitalares e alguns profissionais realizaram plantão apenas em determinada unidade hospitalar. Porém, em planilha apresentada pela empresa constava como a prestação de serviço em duas unidades ao mesmo tempo, ou seja, a empresa contratada listou o profissional em duplicidade.

A auditoria da CGE identificou que foi realizado pela Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá o pagamento à empresa contratada de plantões sem a comprovação de execução e com prestação em período de duração de plantões abaixo do contratado.

O médico Luiz Gustavo Raboni Palma foi preso em seu apartamento, em Várzea Grande.  

Também foram determinadas 12 medidas cautelares, sendo quatro mandados de suspensão do exercício de função pública de agentes públicos na Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá, cinco mandados de sequestro de bens, uma suspensão de pagamentos, um mandado proibindo que a empresa investigada realize novas contratações com a Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá, além de mandado suspendendo pagamentos em benefício da empresa.

Foram analisados os processos de pagamentos referentes aos meses de novembro e dezembro de 2022 e janeiro de 2023, realizados pela Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá à empresa contratada para prestação de serviços médicos na Capital.

Há indícios de que os pagamentos indevidos foram autorizados pelo secretário de Saúde, secretário adjunto e gestores de contrato da época que, mesmos sabedores das irregularidades, autorizaram os pagamentos de forma integral.

Os investigados devem responder pelos crimes de peculato, associação criminosa, modificação ou pagamento irregular em contrato administrativo e falsidade ideológica.



Comente esta notícia