15 de Julho de 2024

OPINIÃO Sexta-feira, 11 de Novembro de 2022, 10:50 - A | A

Dr. Gigi não é Frederico

neila barreto

 Neila Barreto

Nessa constante busca de pesquisar coisas e gente da nossa terra encontro fatos e boatos. Muitos. Dessa forma, preocupada com os alunos que hoje buscam a internet para tudo, venho aqui diferenciar dois personagens importantes da nossa terra, o Dr. Gigi e o Dr. Frederico, até porque tenho condições de fazer isso para que eles não pesquisem textos “fakes”. Aqui venho dizer quem foi Benedicto Vaz de Figueiredo e quem foi Frederico Vaz de Figueiredo. Não eram irmãos e nem parentes.

Ambos foram advogados e conselheiros do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso-TCE-MT, no entanto, só Benecdito Vaz de Figueiredo foi Deputado Estadual e, também tinha o apelido de Dr. Gigi. O outro, era o Frederico Vaz de Figueiredo.

Benedicto Vaz de Figueiredo nasceu em Cuiabá, a 20 de julho de 1910 e, faleceu a 4 de dezembro de 1979. Advogado, jornalista, consultor jurídico, professor, conferencista, deputado estadual constituinte. Filho de Manuel Augusto de Figueiredo e Ana Vaz de Figueiredo. Casou-se com Luzia Barros Vaz de Figueiredo, com quem teve os filhos Ana Tereza e Fernando Augusto. Conhecido como dr. Gigi. Em 1931 fundou o jornal Delio. E nesse mesmo ano partiu para o Rio de Janeiro-RJ, para estudar na Faculdade Nacional de Direito na Universidade do Brasil. Diplomado em 1936, retornou a Cuiabá-MT. Foi um dos fundadores da Faculdade de Direito de Cuiabá, Vice-diretor durante 11 anos e Professor de Economia Política de 1937 a 1954. Deputado Estadual (1947-1951 e 1951-1955). Constituinte. Presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso em (13/06/1953 a 13/12/1953) e vice-Presidente, 1950 e Presidente em 1953. Exerceu o cargo de juiz, ingressando em 31/12/1953, ministro e conselheiro. Em várias oportunidades compôs a Mesa Diretora do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso, TCE-MT, da qual teve a honra de ser o primeiro Presidente a 02/01/1954 e único Conselheiro a exercer esse cargo por quatro vezes: 1954-1955; 1959-1960; 1964-1965; 1967-1968, além de Vice-presidente em (1956-1957; 1961-1962). Aposentou em 23/02/1968. Foi membro do Conselho Penitenciário da cidade e do Conselho Estadual de Administração Municipal. Faleceu em Cuiabá, em 07/06/1989, aos 69 anos, deixando um legado inestimável e de grande valor à política, à administração pública, à história e à cultura em Mato Grosso.

Por outro lado, Frederico Vaz de Figueiredo nasceu em Cuiabá, a 22 de fevereiro de 1913 e, faleceu a 07 de junho de 1989. Advogado, consultor jurídico, administrador público, conselheiro penitenciário, secretário de estado, procurador fiscal do tesouro do estado, promotor de justiça, oficial de gabinete da interventoria federal, conselheiro municipal, procurador municipal de Cuiabá, professor, juiz, conselheiro. Filho de Antônio Leite de Figueiredo e Maria Vaz de Figueiredo. Casou-se com Abgair Pires de Camargo, com quem teve duas filhas: Elizabeth e Irene Maria. Procurador fiscal do tesouro de Mato Grosso. Presidente da OAB-MT (1955-1957). Professor do curso de direito em Cuiabá. Estudou onde? Exerceu o cargo de juiz, ministro e conselheiro. Ingressou no TCE-MT como juiz em 31/10/1960. Em várias oportunidades compôs a Mesa Diretora do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso, TCE-MT: Presidente 1966 – 1967; 1977-1978. Vice-presidente em 1964 – 1965; 1976-1977; 1983-1984. Aposentou-se em 18/02/1983. Faleceu em 07 de junho de 1989 aos 76 anos de idade.

(*) NEILA BARRETO é Jornalista. Mestre em História. Membro da AML e atual presidente do IHGMT.



Comente esta notícia