13 de Julho de 2024

OPINIÃO Sexta-feira, 21 de Abril de 2023, 19:48 - A | A

103 anos de João Antônio Neto

neila barreto

 Neila Barreto

Em um tempo que, vivemos mundialmente, uma crise na saúde, vive Cuiabá momento tão importante para sua história. É a comemoração de 103 anos do escritor e Desembargador João Antônio Neto. Vivo. Pleno, falante, lúcido e com muitas histórias a contar.

O instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso – IHGMT, a Instituição cultural mais longeva do Estado de Mato Grosso, fundado em 1º de janeiro de 1919 e instalado em 08 de abril do mesmo ano, tem a grata satisfação em homenagear um membro tão ilustre. Professor. Orador. Escritor. Poeta. Jornalista. Historiador. Magistrado.

Professor, desembargador, escritor, poeta, nascido em Couto Magalhães, também, chamado Porto Franco, na beira do Araguaia, em frente a Conceição do Araguaia, antes Goiás, hoje Tocantins, em 19 de abril de 1920, filho de Pedro Antunes de Souza (Bahia) e de Inezínia Antunes Pimentel (Maranhão), sua primeira professora e a responsável por apresentar a ele, os escritores. Casou-se com Eva Balbino Guimarães Neto, já falecida, pais de Regina Beatriz Guimarães Neto; Ivan Sérgio Guimarães Neto, Fábio César Guimarães Neto e Augusto Vagner Guimarães Neto.

Chegou a Mato Grosso aos nove anos de idade, cursando o primário em Guiratinga-MT. Em seguida estudou no Colégio São Gonçalo, em Cuiabá-MT, e fez faculdade de Direito no Rio de Janeiro-RJ, no período 1944/1948, onde foi orador da sua turma, cuja cerimônia aconteceu no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, “ eu brilhei do início ao fim do curso, por isso fui escolhido orador”, lembra João Antônio.

Em Cuiabá foi professor titular-fundador da Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT, tendo lecionado Direito Civil, Direito Processual, Filosofia do Direito, entre outros cursos, também na Universidade de Cuiabá – UNIC, e na Escola Superior de Magistratura do Estado de Mato Grosso, da qual foi fundador e diretor, sobrando ainda tempo para advogar em diversas cidades de Mato Grosso e para exercer inúmeras funções políticas, como procurador fiscal do Estado de Mato Grosso, consultor geral do mesmo Estado.

Foi o primeiro Juiz de Direito de Rondonópolis-MT e fundador da Comarca da cidade, além de ter atuado em diversas comarcas do Estado, Desembargador do Tribunal de Justiça, vice-presidente do Tribunal de Justiça, juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso e outros inumeráveis. Participou da 97ª gestão do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso, assumindo a presidência em 16 de fevereiro de 1970.

Literato, é membro do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso-IHGMT, Academia Mato-Grossense de Letras-AML, União Brasileira de Direito Criminal, Academia de Letras Maçônicas MT, Academia de Direito e Ciências Políticas, dentre outras instituições. Fundou a revista cultural Canga, em 1951, um veículo que marcou época. É autor da obra célebre “ A História do Poder Judiciário de Mato Grosso”, é um sábio.

Dentre seus trabalhos publicados temos: Vozes do coração (1941); Três gerações (1949); Poliedro (1970); Remanso (1982); Silhuetas (1988), dentre outras obras inéditas e que virão a lume no momento oportuno, a exemplo do Dicionário Biobibliográfico de Juristas Brasileiros, certamente uma grande contribuição à historiografia nacional; História do Poder Judiciário de MT (1985), inserido no campo das obras científicas obrigatórias para o estudo da história de Mato Grosso, principalmente à compreensão do período colonial, conforme a Historiadora Regina Beatriz Guimarães Neto.

A historiadora, também, registrou que: “ Mas poderíamos esperar menos do talento de João Antônio Neto? Decididamente não. Homem da Poesia, pertencente a Academia Mato-grossense de Letras, escritor de primeira linha (também contos belíssimos), ensaísta, crítico e historiador da literatura mato-grossense, professor de Direito, aclamado por sua erudição e conhecimento do assunto, e que conseguiu ao longo da sua carreira na magistratura, de juiz a desembargador, acumular experiências, informações, pesquisas sobre a organização do judiciário em Mato Grosso, desde os seus primórdios”.

Sua principal diversão, até hoje é ler e, isso vem desde a sua mocidade, quase uma meninice, como ele gosta de dizer.

Dr. João Antônio Neto! Viver um século de vida é pertencer à História do mundo de uma forma mais profunda, autêntica e rara. É uma mágica de 103 anos de existência que muitos gostariam de alcançar, vivenciar, comemorar. Que a sua história de vida seja exemplo para muitos. Feliz aniversário!

(*) NEILA BARRETO é jornalista, historiadora e presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso.

Os artigos assinados são de responsabilidade dos autores e não refletem necessariamente a opinião do site de notíci



Comente esta notícia

Sebastiao de Moraes Filho 22/04/2023

Bom dia. Sem palavras para registrar. Tudo é pouco para falar do mestre e amigo. Feliz aniversário

1 comentários

1 de 1