19 de Julho de 2024

EDUCAÇÃO Quarta-feira, 26 de Abril de 2023, 14:01 - A | A

MOBILIZAÇÃO NACIONAL

Educadores lotam Assembleia em ato contra novo Ensino Médio

Manifestantes também cobram melhorias para a categoria

Rafael Machado Repórter | Estadão Mato Grosso

professores

 

Trabalhadores do ensino público de Mato Grosso, de 28 municípios, se reuniram na manhã desta quarta-feira, 26 de abril, em frente à Assembleia Legislativa, para o Ato Público Nacional em Defesa e Promoção da Educação Pública. Nesta 24ª edição, a categoria debate pautas estaduais, como a valorização salarial, concurso público, segurança nas escolas e revogação do novo ensino médio. (Vídeos e fotos no final da matéria

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT), Valdeir Pereira, é necessária uma mesa permanente de negociação e conversação entre a categoria e o Governo do Estado. "Debateríamos a cada dois ou três meses as pautas da Educação para ir negociando e superando as adversidades que estão sendo colocadas, mas parece que o Governo gosta de ver os servidores descontentes na ponta e ao mesmo tempo acha que está fazendo uma grande gestão", apontou.

Durante o ato, o Sintep-MT entregou a pauta de reivindicações à presidente em exercício da Casa de Leis, deputada Janaina Riva (MDB), que reforçou a importância da conversa com os profissionais da Educação para, principalmente, debater a questão da segurança nas escolas.

"Eles estão entregando oficialmente a pauta de reivindicações hoje e é muito importante esse diálogo. Nós já recebemos diversos diretores aqui que batem na tecla dos vigias nas escolas. Na semana passada, o secretário de Segurança Pública, coronel Roveri, esteve aqui e nós dissemos que a pauta não pode ser de chutômetro, nós precisamos discuti-la com a comunidade escolar: alunos, professores e pais", disse a deputada.

Sobre a segurança nas escolas, assunto bastante comentado nos últimos dias devido a uma série de ataques registrados no Brasil, Valdeir reforçou a necessidade de vigias nas escolas e apontou que câmeras de segurança não são capazes de inibir a violência.

"Se câmeras resolvessem o problema, agência bancária não tinha vigilante. É [câmeras nas escolas] positivo e a maioria das escolas já têm, mas não inibe o problema de agressões e os episódios vivenciados recentemente. Só não foi maior porque teve presença humana. É positivo sim, mas precisamos de vigias para saber quem entra e sai da escola", apontou.

Segundo ele, usar profissionais da Segurança Pública de folga para "tapar" um buraco não é a solução. "Eles estão de folga, precisam descansar para no outro dia trabalhar. Além disso, o contingente de agentes não é suficiente para dar conta da segurança. Já houve cobranças para que tenha o chamamento do cadastro de reserva, ampliar as vagas com mais concurso público, pois esse sistema não ataca de forma sistêmica o problema principal de segurança", avaliou.

Novo Ensino Médio

Outra demanda apresentada em pauta é quanto ao Novo Ensino Médio. Com a mudança, o estudante pode organizar a grade curricular, podendo escolher itinerários formativos com foco nas áreas de conhecimento e na formação técnica e profissional. Em Mato Grosso, segundo o presidente do Sintep-MT, houve certa cautela na implantação.

"Este ano é que vai começar de fato a mudança dos itinerários. Ou seja, os alunos poderão escolher quais disciplinas querem fazer, mas isso acaba deixando outras de fora. Vamos sentir as consequências no final deste ano e no próximo, caso não haja uma alteração nesse percurso", defendeu.

PAUTAS
Greve Nacional da Educação pela aplicação do reajuste do piso salarial inicial e na carreira para os/as profissionais da educação e pela revogação do NEM.

Na rede estadual:
Por garantia de Política Salarial com “ganho real” que recomponha as perdas salarias ocorridas com a fim da Lei 510/2013;
Por pagamento integral da RGA;
Pelo fim do confisco nos salários de aposentados/as e pensionistas (14%);
Pela oferta do Curso do Profuncionário e do Curso de Nível Superior para os funcionários/as das escolas;
Por garantia de “Segurança nas Escolas” com vigias nos turnos de funcionamento;
Por garantia de merendeiras e pessoal de limpeza necessários nas escolas;
Em defesa da Escola Pública com Gestão Democrática;
Por concurso público na educação.
As redes municipais terão pautas locais

Veja  fotos: ÁLBUM DE FOTOS

Rafael Machado

Rafael Machado

 
 
 
 
lorem


Comente esta notícia