19 de Julho de 2024

CIDADES Quarta-feira, 06 de Julho de 2022, 14:52 - A | A

PEIXES EM RISCO

Sema tem mais de 130 processos para PCHs na Bacia do Pantanal

Redação | Estadão Mato Grosso

wilson santos gde

 deputado estadual Wilson Santos (PSD)

Mato Grosso possui atualmente 133 propostas para a construção de Pequenas Centrais Hidrelétricas na bacia do Alto Paraguai, da qual o Rio Cuiabá faz parte. A informação foi revelada pelo deputado estadual Wilson Santos (PSD), durante entrevista à rádio CBN Cuiabá nesta quarta-feira, 6 de julho.

Wilson é o responsável pelo projeto de Lei 957/2019, que proíbe a instalação de Usinas Hidrelétricas (UHE) e Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH), vetado recentemente pelo governador Mauro Mendes (União Brasil).

"Atualmente existem 133 projetos para construção de 133 usinas hidrelétricas nos rios que compõem a chamada bacia do Alto Paraguai, formada pelo Rio Paraguai. O Rio Cuiabá é responsável por 20%, aproximadamente, de toda a água que abastece o Pantanal e um dos principais berçários dos peixes nativos da bacia do Alto Paraguai", explicou Wilson, enfatizando que só a empresa Maturati Participações, busca a instalação de 6 PCHs no Rio Cuiabá.

O deputado afirmou que o alto número de projetos prevendo a construção de usinas é um dos motivos para apresentação do seu projetos. A proposta, entretanto, foi vetada integralmente pelo governador que, em sua justificativa, apontou que o projeto seria inconstitucional por interferir em assuntos cuja competência legislativa seria de competência da União.

Wilson diz temer que a liberação de licença para instalação de uma usina leve a uma 'onda' de liberações, que poderia resultar na devastação do bioma.

"Se você libera três, as outras vão querer que libere as seis dela também. Abre-se o procedente para a autorização das outras 133 unidades", disse.

Mais crítico, o deputado afirmou que hidrelétricas estão fora de moda e que a vez é da energia solar e eólica. "Muito mais baratas. Está todo mundo louco para colocar um painel solar em casa e sair dessa energia caríssima das hidrelétricas", argumentou.



Comente esta notícia