23 de Julho de 2024

CIDADES Quarta-feira, 08 de Março de 2023, 14:23 - A | A

CONFIRA OS NOMES

Ex-diretor financeiro da Saúde de Cuiabá é preso e servidores são afastados

Segunda fase da Operação Hypnos investiga esquema na compra de medicamentos

Redação | Estadão Mato Grosso

brasao

 

Eduardo Pereira Vasconcelos, ex-diretor financeiro da Empresa Cuiabana de Saúde Pública (ECSP), foi preso pela Polícia Civil na manhã desta quarta-feira, 8 de março, durante a Operação Hypnos 2. Além de Eduardo, o empresário Maurício Miranda de Mello, dono da Remocenter Serviços Médicos, também teve a prisão preventiva decretada. Ambos já haviam sido alvos da primeira fase da operação.

Eduardo é acusado pelo Ministério Público Estadual (MP-MT) de integrar um esquema de corrupção juntamente com o ex-secretário de Saúde de Cuiabá, Célio Rodrigues, preso desde o último dia 9 fevereiro. (Veja mais sobre Célio clicando aqui).

Os servidores Jussiane Beatriz Perotto, João Victor Silva e Raquell Proença Arantes foram suspensos de suas atividades na Empresa Cuiabana de Saúde Pública. O órgão continua sendo investigado por supostos esquemas de corrupção.

Já os servidores João Bosco da Silva, João Batista de Deus Júnior, Jussiane Beatriz Perotto, Gilmar Fortunato, Monica Cristina Miranda dos Santos e Nadir Ferreira Soares Camargo da Silva são alvos de medidas cautelares impostas pela Justiça.

A Justiça também determinou o sequestro de bens no valor total de R$ 3,2 milhões. O valor é referente ao montante desviado dos cofres da Saúde de Cuiabá.

EMPRESAS NA MIRA

Além da Remocenter, outras empresas ligadas a Maurício Miranda Mello tiveram suas atividades suspensas. São elas: Comap Construtora e Incorporadora; TAG Energia Elétrica; Construtora Centro Avante; BTS Roaima Construtora e MM JS Licenciamento de Programas.

As onze pessoas que tiveram suas denúncias ofertadas pelo MPMT, no último dia 24, responderão por vários crimes, como associação criminosa, contratação direta indevida, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro, peculato e ocultação de documento público. 



Comente esta notícia