19 de Julho de 2024

AGROECONOMIA Segunda-feira, 24 de Outubro de 2022, 09:04 - A | A

IMPACTOS EM MT

Sefaz: cenário pós-guerra preocupa e pode atrapalhar economia

Secretaria tem feito análises de como a recessão mundial vai afetar Mato Grosso

Vitória Gomes - Da Redação - Midia News

secret sefaz fabio pimenta gde

 O secretário de Estado de Fazenda (Sefaz)

O secretário de Estado de Fazenda (Sefaz), Fábio Pimenta, alertou que o cenário mundial após a guerra entre Rússia e Ucrânia pode afetar Mato Grosso economicamente.

 Pimenta concedeu entrevista à rádio Capital FM e foi questionado sobre a fala do governador Mauro Mendes (União Brasil) sobre o temor de uma recessão global para o próximo ano.

 “Mato Grosso é um Estado do agronegócio e vem se desenvolvendo não só no setor agrícola, no setor primário, mas também no setor industrial relacionado ao agronegócio. Então, os preços de commodities, as demandas externas por alimentos interferem bastante na economia de Mato Grosso”, afirmou.

 Um levantamento feito pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) mostrou que a guerra da Rússia na Ucrânia deverá custar à economia global US$ 2,8 trilhões em produção perdida até o fim de 2023.

Um dos impactos previstos em Mato Grosso é em relação aos fertilizantes. O Brasil compra da Rússia os insumos que são usados nas lavouras do país e o Estado é o maior consumidor dos produtos em suas áreas agrícolas.

 Apesar de não citar em valores exatos como a guerra vai afetar a economia mato-grossense, o secretário revelou que o futuro gera preocupação para a Sefaz, que desde já faz análises para prever as consequências futuras.

 Esses levantamentos técnicos estão sendo utilizados para pensar na receita de Mato Grosso para o ano que vem. O orçamento previsto é de R$ 30,850 milhões.

 “Existe essa preocupação e temos que trabalhar nas nossas previsões de receita considerando todos esses fatores. A equipe econômica da Sefaz nas projeções de evolução de PIB, do desenho econômico do setor do agronegócio leva em consideração tudo isso”, explicou.



Comente esta notícia