24 de Julho de 2024

AGROECONOMIA Terça-feira, 23 de Agosto de 2022, 10:13 - A | A

ESTRADA DA MORTE

"É extremamente complicado, por isso ninguém deu conta até agora", diz Mauro sobre BR-163

Governador apontou que estadualização da rodovia é impossível, já que ela corta vários estados

Rafael Machado Repórter | Estadão Mato Grosso

MAURO MENDES

 o governador Mauro Mendes (União) 

Candidato à reeleição, o governador Mauro Mendes (União) disse que o governo estuda uma solução alternativa para o problema da BR-163.

A discussão sobre o tema começou após o Ministério da Infraestrutura emitir parecer favorável - a pedido da concessionária Rota do Oeste, que atualmente administra a rodovia - à devolução amigável da estrada e tenta dar uma resposta aos últimos acidentes que foram registrados no trecho.

É uma solução extremamente complicada, por isso ninguém deu conta até agora. O governo federal não deu conta, vários empresários estudaram esse assunto... Sabe quem é o sócio dessa concessão?  A Odebrecht, famosa construtora brasileira, o BNDES, e o fundo FI-FGTS, da Caixa Econômica, tem 40% do governo. É gente grande no meio desse negócio e até agora não deram conta de resolver. Não é uma solução fácil e o governo está estudando”, disse Mauro, durante entrevista à rádio Vila Real nesta terça-feira, 23 de agosto.

O candidato comentou que encontrar uma resposta para o problema é difícil, mas garantiu que tem 'apertado' a bancada de Mato Grosso no Congresso Nacional para ajudar no impasse.

Mauro falou que a estadualização da rodovia não tem “menor cabimento”, porque é uma estrada que passa por vários estados do país e o governo federal não tiraria um pedaço da via para que o Estado pudesse administrá-la.

O postulante disse que a situação da 163 é diferente da BR-174, que recentemente foi repassada à administração do governo.

A 174, que é uma rodovia da região noroeste, estava há 15 anos nas mãos do governo federal e não asfaltou. Nós pedimos de volta e transformamos ela em uma rodovia estadual e nós estamos iniciando este ano o asfaltamento, que vai de Juína até Colniza. Agora, são situações diferentes: são 855 km desde que entra em Sonora, no Mato Grosso do Sul, até a cidade de Sinop. […] Essa solução não tem o menor cabimento, tem uma concessão no meio. As pessoas, às vezes, falam as coisas com boa intenção, mas com algum nível de desconhecimento. Não sabem como aquilo funciona”, destacou.



Comente esta notícia