19 de Julho de 2024

AGROECONOMIA Quarta-feira, 05 de Abril de 2023, 10:06 - A | A

AGRONEGÓCIO E INDÚSTRIA

Brasil deve colher 319,78 mi de t de cereais e oleaginosas nesta safra

Redação MT Econômico

colhetadeira

 

Os produtores brasileiros confirmaram o 13º aumento consecutivo da área semeada no País e se preparam para uma produção recorde, mostra o segundo levantamento da Datagro Grãos para a safra 2023 de cereais e oleaginosas. 

No geral, o quadro foi bastante favorável para a implantação desta safra, semelhante ao verificado na temporada passada, combinando boa oferta de crédito, preços excepcionais observados nas principais culturas durante 2022, e sentimento de renda ainda favorável para 2023, apesar dos preços menores de forma predominante”, observa Flávio Roberto de França Junior, economista e líder de pesquisa da Datagro Grãos.

A consultoria aponta para uma área de 79,37 milhões de hectares, aumento de 3,7% ante 2022. A produção total de grãos está projetada em 319,78 milhões de toneladas, acima das 309,63 mi de t da estimativa anterior. Em caso de confirmação, significaria crescimento de 11% sobre a frustrada, mas ainda recorde, temporada do ano passado, revisada neste levantamento para 287,36 mi de t.

Depois do fator mais importante, a definição da área a ser semeada, o que mais pesa nessa boa expectativa inicial de produção é o nível tecnológico utilizado nas lavouras, que trouxe suporte para os positivos números dominantes de produtividade.

O terceiro fator para a definição da safra é o clima, sempre o mais delicado. Apesar do terceiro ano seguido sob o impacto do fenômeno La Niña, as anomalias climáticas estiveram desta vez limitadas à metade oeste do Rio Grande do Sul. Com isso, a safra 2022/23, no geral, foi beneficiada pela regularidade das chuvas.

BOM ANDAMENTO NA COLHEITA DA SOJA – Levantamento da Datagro Grãos realizado até o dia 24 de março mostra que a colheita brasileira de soja da safra 2022/23 chegou a 71,6% da área projetada, avanço semanal de 6,9 pontos percentuais, superior aos 4,9 p.p. observados na mesma semana de 2022, mas abaixo dos 7,1 p.p. da média dos últimos cinco anos.

O ritmo de trabalho segue distante dos 79,2% da mesma época do ano passado e também inferior à média plurianual, de 74,6%. “A produtividade obtida se mostra um pouco superior ao projetado em alguns estados, o que pode levar a revisão para cima na próxima estimativa de safra”, diz França Junior.

colheita do milho de verão da safra 2022/23 no Centro-Sul do Brasil também avançou muito bem na data analisada, chegando a 56,6% da área estimada, salto semanal de 11,4 p.p., porém, segue muito aquém dos 73,5% em semelhante período de 2022 e da média plurianual de 66,0%.

A semeadura da nova safra do milho de inverno alcançou 94,7%, contra 89,2% na semana encerrada em 17 de março, 98,7% no ano passado e média dos últimos cinco anos de 97,8%.



Comente esta notícia